quarta-feira, 24 de maio de 2017

[ENTREVISTA 14] LUCIANO OTACIANO

Brendo Hoshington


“Sou um ser igual a todos os outros e ao mesmo tempo diferente. O que me torna único em todo o universo. Quem se arrisca a me decifrar?

Luciano Otaciano

Olá todo mundo, estamos de volta com as entrevistas, e dessa vez o Book of Livros trás um escritor pra lá de talentoso e bastante carismático, falo de Luciano Otaciano, autor dos livros Histórias Loucas de um Mundo Tresloucado e Os Adolescentes da Floresta de Xerém.

Resultado de imagem para historias loucas de um mundo tresloucado        Resultado de imagem para Os adolescentes da floresta de zerem

Disponíveis na Amazon.

1. Quem é você?

Difícil falar de si mesmo. Certamente eu estou tentando descobrir até hoje quem eu sou, mas não obtive uma resposta satisfatória para essa simples pergunta. O que eu posso dizer é que, sou um cara normal com qualidades e defeitos como qualquer outro. Talvez por ser uma pessoa extremamente tímida em minha rotina diária, torna-se difícil uma pessoa que não seja de meu círculo de poucas amizades me conhecer de forma mais clara. Contudo para aqueles que me conhecem sabem que, sou uma pessoa simples, tanto em minhas atitudes no cotidiano, mas também em relação ao que existe ao meu redor. Acho que consegui, mesmo que de forma sucinta descrever um pouco de minha essência num termo mais prático.

2. Quando percebeu que a escrita fazia parte da sua vida?

Eu desde minha infância gostei sempre de ler. Lembro-me como se fosse ontem, eu lia e relia as historinhas da turma da Mônica em meu tempo livre no sossego de meu quarto na casa de meus pais. Mas eu somente fui perceber a minha paixão pela escrita já na fase adulta de minha vida. O meu irmão foi o grande incentivador para mim. Dizia-me para eu criar minhas próprias histórias, pois sempre tive uma imaginação bastante fértil, apesar de ficarem sempre em minha mente. O meu primeiro livro publicado foi no ano de 2015. Eu já tinha alguns escritos em papel, mas eu não ligava muito para transformá-las em livros. Confesso que, tinha medo de as pessoas não gostarem do que eu tinha à contar.

3. Qual o primeiro livro que se lembra de ter lido?

Eu comecei a ler os quadrinhos da turma da Mônica e outros daquela época, que em sua época faziam o maior sucesso entre a criançada e adultos também. Depois, mais tarde, eu li muito Monteiro Lobato que, com suas histórias infantis me deixava fascinado. Desde então nunca mais deixei de ler. A leitura sempre caminha de mãos dadas comigo, eu costumo dizer que casei-me com a leitura. E, que bom que é um casamento eterno. Se pudesse eu leria até depois da morte, mas acredito que esse meu desejo é pedir demais. Não é mesmo?

4. Como era a primeira história que você criou?

Como sempre fui fascinado pela astronomia, astrologia e ficção científica, lembro-me que, minha primeira história foi exatamente assim. Seres de outro mundo invadiram o planeta Terra e queriam governar o mundo, só que existia o super-herói da trama e acabava com a farra interdimensional. Essa história só existe em minha cabeça, quem sabe futuramente eu crie uma trama elaborada em cima dessa história e transformo numa obra científica para os leitores. Acredito que, quando somos crianças, a imaginação é muito mais presente em nossas vidas. Com o passar do tempo que, infelizmente vem para todos nós, vamos perdendo aos poucos essa magia que  faz morada na mente de qualquer criança.

5. Quais são suas inspirações?

Minhas inspirações para escrever são as pessoas ao meu redor, um lugar que eu goste muito, a natureza, a própria violência exacerbada  que existe atualmente, o universo com suas brilhantes estrelas e o mar. Tudo ao meu redor serve como fonte de inspiração, mas nem sempre é fácil colocá-las em nossas histórias, de modo que, façam as pessoas sentir a verdadeira mensagem que queremos passar. Quem escreve sempre têm algo a transmitir aquele que lê, independentemente do gênero literário. Engana-se quem, por exemplo, acha que somente livros de autoajuda têm ensinamentos. Você encontra ensinamentos em tudo o que lê, basta procurá-los. A mensagem pode estar oculta aos nossos olhos, mas lembre-se, ela está lá.

6. Metas para o futuro?

Particularmente eu não costumo definir metas, até porque, vivemos em constante mudanças em nossas vidas, sendo assim é até difícil defini-las com precisão. Mas o que eu posso dizer é que, continuarei a escrever, e deixo aos caros leitores que projetos futuros virão, eu só não sei ao certo quando virão. Dizem que o futuro é incerto e eu concordo.

7. Como você enxerga o quadro atual da literatura no Brasil?

O mercado está crescendo e, esse fato é muito bom. A troca de informações devido à internet é muito rápido e eficiente, consequentemente isso gera novos leitores, que em um país, em que a maioria da população não tem o hábito da leitura, é fabuloso. Só que, vejo as grandes editoras darem preferência para obras estrangeiras, deixando autores nacionais talentosíssimos jogados de lado. Excluindo-os da festa. Esse fato gera em mim uma tristeza profunda e o que é pior, é o principal causador de desistência daqueles que estão começando agora. Não adianta escrever só por amor, uma hora o amor pode acabar e cansar a pessoa, levando-a a desistir daquilo que é um sonho. Mas que em nosso país pode se tornar um pesadelo pior do que filme ou livro de horror. A verdade é que, as imposições do mercado brasileiro são cruéis. As grandes editoras querem saber de lucrar e lucrar e lucrar, as mesmas não estão interessadas no sonho de todo escritor que é ver seus livros publicados, vendidos em importantes livrarias do país e serem reconhecidos pelo seu talento, que de fatos muitos dos nossos escritores possuem. E o que dá lucro para as grandes editoras nem sempre é de qualidade, certamente não se pode generalizar, mas vejo muitos escritores "superiores" aos, que dão lucro para as grandes editoras no anonimato. São sombras de seus próprios sonhos. Não é possível competir dessa maneira. O Brasil talvez seja um dos piores lugares para ser escritor, fazemos por amor e se não fosse por amor ao ofício de escrever histórias, certamente leríamos somente os clássicos de nossa literatura, que aliás, devem ser sempre lembrados, se não fossem por eles não estaríamos aqui, criando nossas obras de qualidade para quem quiser ler. Temos de valorizar o que é nosso, dá o devido valor à nossa gente sofrida, mas que luta arduamente dia após dia, num país onde a injustiça é absurdamente notável. Mas acredito que um dia, a situação mude e, o mais importante é fazermos nossa parte. Se fizermos a metade do árduo caminho será transposta.

8. Qual é o seu livro nacional predileto?

O meu livro nacional preferido é o Cortiço, de Aluísio de Azevedo

9. O que gosta de fazer nas horas vagas?

Em minhas horas vagas eu gosto de ouvir música. Ouço sempre que posso, exceto quando estou escrevendo. Aí minha companhia é o silêncio absoluto.

10. O que você diria para uma pessoa que está começando agora?

Para você que está começando agora, minha dica é: não desista. Saiba que, obstáculos virão, mas não se deixe ser vencido por eles. O seu sonho é maior do que qualquer dificuldade. Na verdade, não existe obstáculo para um sonho.



Confira agora o prefácio de Os Adolescentes da Floresta de Xerém:


É verão e o chão da floresta de Xerém está repleto de insetos e seres perigosos e venenosos. Alguns, tão perigosos e anormais que parecem não fazer parte da nomenclatura das raças do planeta. Um grupo de adolescentes formado de amigos de sala de aula e da vida, resolve fazer um acampamento. O grupo é formado por Álvaro, um rapaz de dezessete anos, estudante do ensino médio, Bruno, seu melhor amigo de dezesseis, também estudante, Brenda com quinze e Antonieta, com vinte, a mais velha da turma, tímida e solitária, prima de Álvaro.

A insigne aventura começa no fim das férias escolares, quando o grupo se embrenha em meio a floresta e logo que chega, arma as tendas e se acomoda num local muito fechado e de difícil acesso. Dirigindo o jeep de seu pai, Álvaro pega a estrada que dá acesso direto ao destino que leva o grupo a viver a maior aventura da vida de cada um. Os acontecimentos conseguintes, naquele inesquecível dia, mudou por completo os pensamentos e o destino dos jovens.

Links do autor para:
>>> Clube dos AutoresAmazonSkoob <<<




Já pensou em ter uma almofada do seu livro preferido? Ou daquela série que você não perde um episódio? Então conheça a Pillows - Almofadas Personalizadas, uma loja do Book of Livros.








Brendo Hoshington / Administrador & Editor

Mora em Pernambuco e sonha em conhecer o mundo, mas por enquanto viaja apenas em livros e séries.

6 comentários:

  1. Olá Brendo! Feliz em poder realizar essa entrevista para o seu blog. Agradeço o espaço à mim cedido e, para mim é uma honra poder participar. Um abração!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu que agradeço cara, ainda vamos ter muito mais do seu trabalho aqui no blog!!!

      Excluir
  2. Parabens Luciano, sucesso na sua carreira sempre!

    ResponderExcluir
  3. Tá aí um cara que começou pelos clássicos de Lobato. Acompanho o autor e posso dizer que a cada livro a sua técnica / habilidade se aperfeiçoa de forma muito bonita. Do seu primeiro livro até o último, as mudanças, até mesmo no modo de escrita, o fazem crescer. O último livro de Luciano está impecável, vocês precisam ler. Já ouvi em blogs que ele é melhor quando escreve fantasia. Bom, se é melhor ou não, ainda não pensei, mas que as habilidades pra a criação de um enredo fantástico do cara são excelentes, isso eu posso dizer.

    Falando nisso, Luciano poderia escrever essa história que citou na resposta da pergunta 4. A união das competências astronomia, astrologia e ficção científica em uma fantasia, seria dez!

    Leiam também as Histórias Loucas de um Mundo Tresloucado, livro que adorei escrever com ele, vocês também vão se admirar com a qualidade deste volume.

    Sucesso ao autor.

    Abraços Brendo, o blog é mil!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu mano! Saiba que para mim foi incrível dividir autoria de uma obra com você.

      Excluir